JEEP RENEGADE 2020, 1.8 flex, automático, chega aos 20 mil km rodados.

O “meu” Renegade alugado chegou aos 20 mil km, só depois de 28 meses de uso, são os efeitos da pandemia…

A locadora levou para a revisão, com duas reclamações minhas: barulho nos suportes superiores dos amortecedores dianteiros (situação comum em muitos carros do grupo JEEP-FIAT-etc) e barulho no banco do passageiro, quando ocupado.

Ambos já se apresentavam desde o carro novo, mas agora a Jeep prestou atenção e resolveu os dois. A locadora acatou a sugestão da concessionária de trocar a bateria, o que eu não teria feito se o carro fosse meu (não havia sinais de mal funcionamento e a bateria, por conta do start-stop, tem capacidade e vida útil bem superiores às baterias normais).

O Renegade continua sólido, sem outros barulhos na suspensão ou na carroceria. Os materiais resistem bem ao uso, excessão feita aos destoantes tapetes removíveis, fabricados na Holanda. Os bancos de couro são bastante resistentes, não se danificando mesmo com as caronas eventuais às duas cadelas do meu filho.

O desempenho não empolga, mas é razoável. O consumo idem, mas este é altamente impactado pelo tipo de trânsito enfrentado. Rodando com gasolina comum, quando as médias horárias do na cidade chegam perto dos 20 km/h, o consumo fica ao redor de 8 km/l. Já se a média fica próxima dos 30 km/h, o consumo melhora para 10 km/l. Bastante razoável para o tamanho e o peso do carro.

No geral estou satisfeito com o Renegade, mas imagino que o novo motor 1.3 turbo deva dar outra vida e melhores números ao SUV compacto da JEEP. Ele continua nas minhas opções de compra (ou aluguel) para 2023, quando acaba meu contrato.

Jeep Renegade 2020, 1.8 flex, automático, Longitude. Primeiras (boas) impressões ao dirigir!

Só rodei 350 km com meu Renegade, mas achei que valia a pena já comentar o que estou achando do carro. Para quem acompanha o blog, já publiquei dois posts sobre o Renegade, na versão Sport, Flex, de 2017.

renegade lat

Neste 2020 o acerto do motor está melhor, apesar do Continuar lendo

Jeep Renegade, 2016/17, 1.8, Flex, automático de seis marchas, 4×2.

Test-drive.

O Jeep Renegade, o “queridinho” do mercado brasileiro, me mostrou rapidamente, neste primeiro contato, as razões pelas quais ele caiu no gosto do consumidor brasileiro.

renegade1

Antes de dirigir, sempre achei que ele fosse duro e me surpreendi antes da Continuar lendo

SUV, Crossover, novo ou usado?

Com a grande variedade de opções, tomar a decisão de que carro comprar parece cada vez mais difícil.

Vários são os fatores a serem levados em conta, alguns bem tangíveis, como: preço de compra, custo do IPVA, custo do seguro, custo de manutenção, depreciação, liquidez e tempo de garantia. Outros, ainda que tangíveis, são de valoração mais subjetiva ou difícil, tais como: prazer ao dirigir, robustez, praticidade, adequação ao uso, acabamento, etc.

Neste cenário fiz a comparação entre muitas alternativas, mas destaco as seguintes opções, em ordem alfabética: Continuar lendo

Mais um leitor procurando um SUV como alternativa.

O leitor Antônio me escreveu:

“… tenho um Corolla xei 2011/12 aut, …. inapropriado para o Brasil (pistas de rolamento ou seria de obstaculos?!!!) penso em vende-lo e comprar um “SUV”. Inclino-me para o Mitsubischi ASX 2.0 4×4 por ser mais completo que o 4×2, salvo melhor juízo. Suas dimensões atendem melhor as minhas necessidades…… Na cidade com os espaços cada vez menores facilita encontrar vagas na hora de estacionar, além da altura entre o carro e o solo. … Estarei fazendo besteira? … surgiu uma oferta do dito asx 4×2 ano 2010/11. Vale a pena compra-lo? ….”

Meus comentários:

Seu caso é parecido com o post anterior e também com outros casos que comentei sobre alternativas de SUVs de entrada.

Acho o ASX 2.0 uma opção razoável, mas só compraria o 4×4 se Continuar lendo

Jeep Renegade chega para sacudir o mercado de SUVs!

A Jeep começará a vender o Renegade no Brasil. A campanha de marketing na TV já deixa claro o forte apelo emocional que a Jeep quer associar ao seu filho mais novo.

DSC_8839

A versão topo de linha, a primeira que chega às lojas, tem preço salgado (perto dos R$ 120 mil), mas é super equipada. Com motor diesel e câmbio de nove marchas, este autêntico Continuar lendo