Quem não quer ver que carros mais eficientes e econômicos afetarão a indústria de petróleo?

Uma engenheira que trabalha na indústria de petróleo lançou outro dia, num grupo de discussão que participo, a ideia de que carros híbridos e elétricos não afetarão as produtoras de petróleo. Acho que ela está enganada e aqui estão os fatos:

  • em 2013, cerca de 55% de um barril de petróleo era transformado em gasolina no mercado americano (o maior consumidor de petróleo do mundo);
  • neste mesmo cenário, quase 25% eram convertidos em combustíveis de aviação;
  • cerca de 7% em óleos combustíveis e cerca 13% em outros produtos (como lubrificantes).
    • (fonte American Petroleum Institute – API)

Tenho comentado aqui os movimentos da indústria (carros com combustíveis renováveis, carros híbridos, carros elétricos e carros com motores menores e mais eficientes). Todos reduzem o consumo de combustíveis fósseis como Continuar lendo

Aditivo redutor de atrito para o motor.

O leitor Jefferson me perguntou:

“Olá Ronaldo…Qual sua opinião sobre o uso do militec ??”

Jefferson, não conheço o produto que você citou (Militec-1). Fui pesquisar na Internet para entender do que se trata.

No site do fabricante, eles explicam que o Militec-1 é um redutor de atrito que trata a superfície metálica do motor.

Reproduzindo o texto deles: Continuar lendo

Melhor um motor flex ou um a gasolina?

Enquanto abastecia meu Jeep Compass, Dona Lygia me perguntou: “este seu carro é flex?”

Respondi de pronto: “Não, felizmente este é só a gasolina”. Ela estranhou e rebateu, “flex não é melhor?”. Respondi, “depende”. Passo a reproduzir aqui a resposta que dei para ela.

Do ponto de vista de mercado, o motor ser flex é melhor, pois há maior aceitação na hora da revenda.

Do ponto de vista econômico, se o carro roda Continuar lendo

Transmissão de corrida da F1 na TV, fonte inesgotável de bobagens automotivas…

Neste domingo de corrida de F1 não foi diferente (variam os narradores e comentaristas, mas seguem as bobagens), bobagens ditas ao vivo, sem qualquer cerimônia! Desta vez a “vítima” foi a pressão dos pneus. Vários leitores perceberam.

O fabricante de pneus recomendou para as equipes baixarem a pressão dos pneus e o comentário foi: “…aqui usa psi, diferente das libras que usamos no Brasil…”.

Quase caí do sofá!

Para quem não é do ramo, vale esclarecer: As “libras que usamos no Brasil” são a abreviatura de “libras por Continuar lendo

Jeep Compass 2014, 2.0, CVT chega aos 30 mil km.

Já publiquei neste blog alguns posts sobre o Jeep Compass 2014 e também fiz um comparativo, entre ele e o Suzuki Grand Vitara 2011. Agora, completados 30.000 km rodados, está na hora de uma avaliação “de longo prazo”.

Vale lembrar, 2016 é o último ano que o Compass tem esta aparência. A linha 2017 vai trazer um desenho completamente novo, mas, pelo que noticia a Jeep, serão mantidas a mecânica e o porte do Compass, que deverá passar a ser fabricado no Brasil.

DSCN0167

O silêncio a bordo continua me agradando. Crossover com nível de ruído de Continuar lendo

Carro a diesel no Brasil?

“Câmara quer liberar carro a diesel no Brasil. Prepare os pulmões.”

Este é o título da matéria que foi publicada numa grande revista há algumas semanas. O tema tem ganhado destaque, por conta da pressão dos dois lados, os que defendem a liberação irrestrita dos motores diesel em qualquer tipo de veículo e os que defendem a manutenção do status quo, com critérios restritivos à sua adoção.

O Projeto de Lei nº 1.013/2011 já foi rejeitado na Câmara, não de forma definitiva, mas sem que um arrazoado técnico isento respaldasse as decisões.

Dizer que o projeto não deve ser aprovado por questões ambientais é um argumento tolo, na melhor das hipóteses. Na Europa, a região mais restritiva às questões Continuar lendo

FIAT 500 1.4 SPORT, MULTIAIR FLEX, 6 MARCHAS, AUTOMÁTICO, REAVALIAÇÃO AOS 30 MIL KM.

Já publiquei três avaliações neste BLOG quando meu Fiat 500 passou pelos 2.500, 10.000 e 20.000 km. Agora atualizo a avaliação com ele chegando aos 30.000 km.

km inicial do teste – 0  km / km rodados – 30.000 km

Cenário de teste – Cidade (ruas e vias expressas). Estradas no Rio de Janeiro.

 

Na direção – A direção elétrica continua leve, mas pode ser endurecida ao ser selecionado o modo de direção Sport, que afeta não só o “peso” da direção mas também o ajuste de troca de marchas do câmbio automático. Com o aumento da quilometragem, alguns ruídos Continuar lendo

A escolha de um SUV 4×4 usado. Um desafio!

O leitor Augusto me mandou este desafio. Ajudá-lo a escolher à distância um SUV usado. Ele conhece o assunto e foi proprietário de um excelente Subaru Forester até recentemente, o que eleva os padrões de requisitos (todos detalhadamente alistados por ele e copiados no final deste post).

Este é um desafio e tanto! Uma escolha num espectro tão amplo é sempre difícil. Ao largo espectro se soma a incerteza do uso anterior do carro, que é um fator importante e Continuar lendo

Melhores opções na casa dos R$ 100 mil.

Meu amigo Roberto vai comprar um carro novo, zero km, na faixa dos 100 mil e me perguntou o que eu achava do Audi A1. Para que os demais leitores entendam as minhas sugestões, o Roberto já tem um Honda CRV ainda na garantia, carro que passará a ser usado pela esposa.

O Audi A1 certamente é uma opção interessante, compacto, bem acabado, com uma mecânica confiável e eficiente, tem as limitações (e vantagens) de ser um hatch pequeno, que não tem muito espaço para bagagens e passageiros, mas é muito conveniente para o uso diário, pois é curto, ágil e econômico.

A1-2016

Se o alvo for a marca Audi, creio que seria interessante olhar o A3 na Continuar lendo